Rescaldos

Rescaldo Semanal 14.11.2020

Internacional

Os Presidentes da França e Zimbabwe emitiram breves mensagens de solidariedade e preocupação com a situação em Cabo Degado, e em particular, os que vêm sofrendo de ataques, ameaças e mortes perpetradas por grupos jihadistas em Moçambique. Esta preocupação foi também repercutida por vários diplomatas, personalidades da sociedades civil e Organizações não-governamentais as quais, apelam pelo término de extermínio da população civil e indefesa, sobretudo nos nove distritos desta província. 

Nacional

O Governador da Província de Cabo Delgado, Valygi Tualibo concedeu ao longo desta semana, uma entrevista televisiva à Soico Televisão onde o tema era sobre a Província de Cabo Delgado. Ao longo da sua intervenção, este dirigente assegurou aos ouvintes de que uma boa parte da Província de Cabo Delgado encontra-se sob controlo das Forças Armadas de Defesa e Segurança. No mesmo debate, Valgy deixou cair em descrédito dados avançados pelas medias nacionais e sobretudo de mortes de civís em dezenas, por decapitação. 

Município de Mueda

A Transportadora Nagy anunciou que neste final de semana, faz as suas últimas viagens de escala a este Município. Para gestores desta frota de transporte interprovincial, estão por de trás das razões de suspender escalas a Mueda, o facto de se aproximar o tempo chuvoso e a estrada que liga Montepuez a Mueda estar precária. Outro sim, pressentem momentos tenebrosos neste Distrito, ao se terem registado ataques ao vizinho Distrito de Muidumbe.

As filiais bancarias de Banco Internacional de Moçambique, banco Comercial de Moçambique e ABSA, encontram-se a esvaziar seus cofres e limitar serviços de atendimento em ATMs aos clientes que escalam este Município, pelos mesmos motivos.

Há relatos de que os principais agentes econômicos, membros familiares de figuras próximas ao partido no poder em Moçambique, encontram-se a se retirar voluntariamente para outros Distritos ou para fora desta Província, temendo serem atacados a qualquer altura. 

O Município de Mueda sempre recebeu deslocados de  Mocimboa da Praia, Palma, Muidumbe e Nangade para depois escolherem percorrer perto de 300 km de terra batida, em direção ao Município de Montepuez, como primeiro destino. Este local pode ser o que mais acolhe deslocados de guerra pela Província de Cabo Delgado, para se fixarem ou em trânsito seguindo-se o Município de Pemba, pelos números de deslocados que por lá escalam chegar, por via marítima. 

Pemba

Nesta semana, uma média de 85 a 130 deslocados de guerra escalaram a praia de paquitequete por dia, contra os mais de mil que por aqui escalavam em chegar, por dia. Esta descida pode representar uma deserção massiva de gente em cada uma das 50 Ilhas do arquipélago das Quirimbas e zonas ribeirinhas do Continente.

Uma das mais antigas associações Juvenis denominada Kuendeleia é a que mais se dedica em acolher, fazer pré-registos de deslocados de guerra, guiar deslocados às autoridades locais e as Unidades Sanitárias e condicionalmente, aos Centros de acomodações. Contudo, vários integrantes desta associação juvenil sem fins lucrativos, viram objetivos da sua associação a serem redefinidas com o foco ao deslocado de guerra, desde o princípio do ano em curso e trabalha sem meio. Alguns desta associação, chegam a oferecer seus tectos e pátios a alguns deslocados de guerra, nos primeiros dias de suas vindas, enquanto de readaptam a nova realidade. Neste final de semana, esta associação efectua limpeza na praia de paquitequete, com meios trazidos das suas residências, esta que ultimamente virou uma das praias mais sujas deste Município, por conta do fecalismo ao céu aberto e lixo doméstico e comum, produzido pelos “sem tecto”.

Contudo, muitas fotografias de deslocados de guerra, tiradas na Cidade de Pemba, descrevem ambientes ao relento, comida precária e nalgum momento a se torrar constantemente o milho para dele se alimentarem famílias inteiras.

Macomia

Algumas famílias que juraram não abandonar o Distrito, por nenhum motivo e sobretudo por não terem referências fora de Macomia, iniciaram com sementeiras. O gergelim, a cana de açúcar, o milho, a mapira, a banana, tubérculos entre outros cereais, são maiores apostas. 

Nangade

O administrador do Distrito encontra-se ausente do Distrito desde finais de Setembro de 2020. O facto faz com que muitos funcionários públicos sigam o seu exemplo. Com esta ausência por muitos meses, faz com que o seu escritório móvel e o atendimento de expedientes, funcione na Cidade Municipal de Pemba, a semelhança dos ouros administradores cujos distritos sofreram ataques. Estão por de trás destas saídas, o facto do referido Distrito não estar iluminado, a semelhança do de Mueda, Mocimboa, Palma e Muidumbe, desde o ataque a Central elétrica de Awasse – Mocimboa da Praia. 

A morte de um agente econômico bastante conhecido neste distrito deixa espaços de muita especulação pois, primeiro este foi sequestrado por gente que uma semana depois, lhe soltou. Em seguida, foi alvejado com três tiros no peito, por desconhecidos. Quer a primeira, quer a segunda acção é interpretada como sendo alguém que tinha pacto com insurgentes e que o sequestro serviu de aviso para o retorno ao patrocínio e o seu silêncio, vem sendo interpretado como sendo renitência e consequente morte por baleamento. Neste Distrito, a Polícia de Investigação Criminal encontra-se desactivada e inoperante, estando toda a Policia atenta a atender expedientes relacionados com a insurgência, o tempo todo.

Montepuez

Nesta semana, este Municipio recebeu inúmeros deslocados de guerra, muitos dos quais, a procura de seus familiares, perdidos nas matas de Muidumbe. Houve falta de meios de transporte para carregar famílias inteiras bem como suas trouxas de locais de fuga para Montepuez. 

Chegar a Montepuez, vindo de qualquer distrito atacado, constituía alívio para muitos deslocados de guerra.

Muidumbe 

Aldeias de Ntchinga, Muatide e 24 de Março foram as que mais houve massacre no Distrito de Muidumbe. Nas aldeias Ntchinga e 24 de Março, foram locais onde insurgentes escalaram ritos de iniciação para decapitar adolescentes e seus conselheiros, em ritos de iniciação masculina denominados “licumbi”. Há também relatos de rapto de crianças para treinos militares pro- insurgencies neste Distrito, ao se considerar mais um depoimento, pela forma como uma sobrevivente assistiu a decapitação do seu esposo (professor), sua cunhada e rapto de dois menores de 12 e 15 anos, respectivamente. Em Muatide, as restantes infraestruturas também foram destruídas por insurgentes e com o recurso ao fogo posto.

Ainda continuam centenas de pessoas nas matas deste Distrito e a se alimentarem de frutos silvestres, para sobreviverem, enquanto fogem da presença de insurgentes que atacaram 9 das 13 aldeias e em uma semana. Muitos dos nossos informantes acreditam que famílias que conseguiram fugir para as matas com crianças são as que mais comida necessitam, nestes locais e como segunda necessidade, precisam coordenadas de planos de fuga conjuntos, já que nas matas sofrem também de frio, mosquitos e doenças hídricas. 

O Pinnacle News anunciou que na aldeia Matambalale houve falso alarme de presença de insurgentes quando na verdade, militares escalados a partir de Mueda para defenderem a barra de Muatide, encontraram e atacaram uma posição de antigos combatentes. Do combate “amistoso”, houve mortes não reveladas a imprensa, por parte de entidades competentes. Porque há falta de comunicação neste Distrito, desde os primeiros dias deste Novembro de 2020, populares estão desinformados correlação a aqueles estrondos ouvidos na aldeia Matambalale.

Deslocados de guerra do Distrito de Muidumbe escalaram matas densas e foram recebidos em Distritos de Montepuez (Nairoto), Meluco e Mueda. Contudo, em nenhum destes locais lhes é seguro pois, voltam a apanhar folego para darem continuidade para outras terras supostamente seguras.

Foi neste Distrito onde, as duas rádios Comunitárias locais, que ofereciam seus serviços num raio de 70 km em Frequência Modular, em lingua e Portuguesa e Chimakonde, foram invadidas e parcialmente destruidas tendo nototal, mais de 10 colaboradores que nelas exerciam tarefas de jornalismo básicos e locussão (muitos destes, não remuneráveis), abandonado o local e se refugiaram nas matas, acompanhados de seus membros familiares.

Com a domada deste Distrito e a esta escala de pressão bem como a visível deserção massiva da população, aumentam as chances de circulação de insurgentes em terra firme. E, vários áudios colocados nos grupos de redes sociais do Pinnacle News, sobretudo em língua chimakonde, espelham o como este distrito foi assaltado e civis decapitados com o recurso a instrumentos contundentes.

Palma

Continua sendo o distrito mais caro para se viver, não só da Província de Cabo Delgado mas também de Moçambique, sobretudo por estar isolado. O preço de comida de primeira necessidade e combustíveis explodem a cada dia e a reposição destes bens alimentares e recursos, são raros por se temer faze-los chegar passando por labirintos de insurgentes. 

Outros 

Estimam-se que estejam a operar em Cabo Delgado, perto de 600 insurgentes e na posse de 200 reféns civís e cerca de uma centena de crianças a serem treinadas, algures nas matas de Mocimboa da Praia. – Este será um tema a ser devida e cautelosamente desenvolvido, nas nossas próximas edições

No seio de insurgentes, há novatos fruto de novas aquisições nacionais, recrutados recentemente em distritos pacíficos ou de forma compulsiva. E os reféns, são guarnecidos e obrigados a exercerem algumas tarefas de logística no seio deles. Muitos dos reféns são raparigas adolescentes e que são obrigadas a se submeter a casamentos prematuros. – Vide um recente vídeo no Youtube do Pinnacle News, em língua emakhua onde a entrevistada, que escapou de uma das bases de Macomia, aclara sobre este e outros momentos.

O tempo chuvoso que se aproxima, pode ser o mais complicado para enfrentar insurgentes nas matas grossas.

Os cálculos do Pinnacle News no somatório de deslocados de guerra, excedem 320 mil pessoas, na sua maioria, crianças em idade escolar que seguem seus Pais e deslocam-se sem documentação necessária. Muitas das famílias deslocadas, sobretudo as que possuem vida mediana, preferem se deslocar e nunca se apresentarem nos seus destinos, para não passarem vergonha e muito menos, serem pedintes. Seus preferidos destinos continuam a ser a província de Nampula, voluntariamente ou outros da Província de Cabo Delgado, por induçãogovernamental. Outro sim, as ajudas humanitárias continuam cada vez mais escassas em todos os centros de acolhimento.

Um comentário

  1. Matapa onkuta

    Situaçào dificil compatriota!

Deixar Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Subscrever a nossa newsletter diária