Cabo Delgado

Rescaldo Semanal 17.07.2021

Internacional

A presença de militares Ruandeses no solo Pátrio Moçambicano já se efetivou e enunciou-se oficialmente que são 1000 homens dentre os quais, 880 tropas e 120 polícias liderados pelo General Innocent Kabandana.

O Jornal eletrónico @Carta escreveu que as tropas do Malawi não são favoritas para fazerem parte da causa de Cabo Delgado e no pacote da SADC. Os fortes motivos não são avançados mas espera-se que, para além de Ruanda ter adiantado com 1000 himens, a SADC comparticipe com perto de 3000 homens. A demora da vinda de tropas da SADC deve-se a logística que deve ser comparticipada

A União Europeia veio mais uma vez ao público, mostrar a sua abertura no apoio a Moçambique, no combate ao Terrorismo implantado pela Província de cabo Delgado. A intenção foi revelada pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto santos Silva, em Bruxelas. Diga-se de passagem que Portugal já vem apoiando Moçambique nesta luta, treinando tropas Moçambicanas. O apoio da União Europeia pode se alastrar aos 732 mil deslocados de guerra, dados detidos pela ONU.

Nacional

Nesta semana, Ossufo Momade, líder da Renamo e o Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, escalaram a Província de Cabo Delgado e com agendas diferentes. Enquanto o Presidente da República foi anunciar a chegada de tropa Ruandesa e sensibilizar para a aplicação das medidas de prevenção da COVID-19, Ossufo Momade foi visitar e se despedir de sua tropa de guerrilha. Momade aproveitou-se da ocasião para dizer a imprensa de que a ideia de recepção e desdobramento de tropas Ruandesas em Moçambique e sobretudo em Cabo Delgado é de louvar mas, carece de informe e aval da Assembleia da Republica de Moçambique. Esta posição, vem também sendo abraçada em debates televisivos e jornais de maior circulação Nacional.

Finalmente, a Polícia da Republica de Moçambique viu-se traída por cidadãos, actores e cantores Moçambicanos os quais, de forma aleatória ou prestes para exibições teatrais, usam o uniforme da sua corporação. Nesta semana, uma nota de proibição do uso destes uniformes e distintivos, foi emitida e feita circular a escala Nacional e com medidas de cumprimento imediato.

Cabo Delgado

Foram detectados focos de fogo intenso em dias diferentes em Phundanhar, Diaca, proximidades de Afungi, nesta semana, segundo uma publicação no Twitter de Il Kanguru. E o Estado Islâmico, depois de muito tempo sem alguma publicação a respeito de colisões em Cabo Delgado, publicou alguns folhetos confirmando ter havido confrontos militares que resultaram em mortes, destruição de carros blindados, motocicletas, recolha de armas de fogo.

Pelo menos 50 salas de aula construídas de raiz, vão ser implantadas pela Província de cabo Delgado e com o destaque, em algumas zonas aonde foram reassentadas famílias deslocadas de guerra. Esta boa nova, foi recentemente dita pelo Governador, Valgy Tauabo. O mesmo referenciou ao decorrer do Conselho Executivo Provincial que 40 destas, são para o ensino primário e este universo, não chega para cobrir as necessidades pois, a guerra que se desencadeia em Cabo Delgado, destruiu o dobre deste número pretendido. E forcou ao encerramento de 249 escolas de vários níveis e formações profissionais, afetando acima de 2 mil professores.

Vários vídeos amadores exibindo a pujança de Ruandeses, via terrestre e com mais de 30 viaturas, podem ser encontrados em redes sociais que enquadram moçambicanos. Para além de viaturas militares e civis, há frota de carros de assalto, viaturas de pronto-socorro, viaturas para o transporte de mantimentos e equipamento militar. Fontes do Pinnacle News garantem que estas tropas já se desdobram no terreno e privilegiaram os Distritos de Mueda e Palma. De igual, há especialidades de militares desde paramédicos, motoristas, atiradores, cozinheiros entre outros. Contudo, há indicações que vários têm problemas de língua e linguagem, nos acampamentos e quarteis. Aliás, vários comunicam fluentemente em Kiswahil com populares (fora do quartel) de Palma, obtendo informações detalhadas, com amabilidade e cortesia. Ora, militares Moçambicanos oriundos ou treinados no Sul e Centro de Moçambique e que caminham ao lado daqueles Ruandeses é quem precisam de ser traduzidos de Kiswahil para qualquer outra língua e de preferência, a portuguesa, algo sobre que esteja a ser partilhado.

O Zitamar escreveu nesta semana que alguns aldeões de palma foram interditos por militares, de fazer a sua atividade diária de sobrevivência. São povoados de Ncumbi, Makongo, Olumbi e Monjane que não podem ir a pesca ou as machambas, pelo facto da mata e partes da costa, estarem a ser patrulhadas.

Em Montepuez – Nairoto, houve saque e incêndio de residências, escreve @Carta. O acto foi primeiramente interpretado como sendo bárbaro e suscitou fugas maciças, já que envolvia um número acima de 10 jovens. Em seguida, a Polícia local identificou e deteve parte dos meliantes e esclareceu que foi um incêndio propositado e premeditado, pelo facto de ter havido roubo de comida e bens em alguns estabelecimentos comerciais locais. Considere-se que Nairoto faz fronteira entre os Distritos de Montepuez e Mueda e é fortemente policiado por um grupo de paramilitares de diferentes especialidades desde florestais, Policias, militares e milícias devidamente armadas.

Joao Buchili é nome do novo administrador do Distrito de Palma o qual, foi recentemente apresentado à População local, pelo Governador da Província.

Professores de Macomia entrevistados pela carta estão contra o regresso ao ensino formal, em Distritos voláteis de Cabo Delgado. O facto deve-se a instabilidade que perdura 4 anos.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Voz de Cabo Delgado

Subscreva a nossa newsletter diária

Verifique na sua caixa de correio ou na pasta de spam para confirmar a sua subscrição.