Rescaldos

Rescaldo Semanal 14.08.2021

Internacional

A partir desta semana, Moçambique conta com nova Directora da Missão da Agencia dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAID). Trata-se da Senhora Helen Pataki, uma mulher que desde já, vai liderar assuntos sensíveis entre Moçambique e os Estados Unidos, doadores e Organizações não-governamentais que operam no solo pátrio Moçambicano, em prol de camadas mais desfavorecidas. De igual, a aposta dos Estados Unidos formarem 100 novos comandos e fiscais florestais moçambicanos constitui prioridade e em respeito pelos direitos humanos e a proteção de civis de acordo com o Embaixador Dennis Hearne.

Ainda na nesta semana, os Estados Unidos da América tornaram público nomes de principais suspeitos de incentivarem o terrorismo em África. Por seu turno, o Observatório do Meio Rural tornou público alguns nomes activos dentro do núcleo de insurgentes, bem como as tarefas que alguns desempenham dentro da insurgência.

Este canal partilhou a ideia do antigo presidente de Moçambique, Joaquim Chissano, de que há espaços para um diálogo entre as autoridades Moçambicanas e insurgentes que actuam em Cabo Delgado, desde que haja vontade por parte do Estado Moçambicano. Ora, boa parte de insurgentes nasceu e estudou em Moçambique, tem família que, com regularidade comunica com eles. Entretanto, alguns internautas faziam uso recorrente de frases do primeiro Presidente de Moçambique, Samora Machel, de que, com terroristas não se negoceia.

Uganda mostrou-se optimista em ajudar Moçambique, na guerra localizada em Cabo Delgado. Estes pronunciamentos foram dados por Ivan Koreta, Ministro da Defesa e de Antigos Combatentes de Uganda. Uganda que não faz parte da SADC assim se pronunciou, numa altura em que outros nove países ainda não pisaram o solo pátrio Moçambicano, para fazer frente aos insurgentes apelidados por Al- Shababs de Cabo Delgado.

Vários internautas partilharam textos que resumem um possível atentado contra Ruanda, por parte dos aliados dos Al Shababs. O referido atentado seria retaliação contra baixas que soldados ruandeses estão a causar em Cabo Delgado – Moçambique. Em gesto de resposta, Ronald Rwivanga, Comandante ruandês respondeu a partir de Moçambique de que está preparado para tudo o que lhe for colocado como desafio.

O Lesoto foi o último país a envir as suas tropas à Moçambique. Este país usou aeronaves angolanas IL-76TD para transportar os 117 integrantes que compõem o seu destacamento.

Nacional

Tropas conjuntas iniciaram ofensivas contra insurgentes, muito antes do lançamento oficial da missão da Força em Estado de Alerta, facto que @Carta e outros jornais sul africanos interpretaram que Ruanda estava mais decisiva do que toda a SADC no combate aos insurgentes. As mesmas incursões saldaram em abates em combates de vários insurgentes. O lançamento oficial desta missão foi co-liderada pelos Presidentes de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi e do Botswana, Mokgweetsi Masisi, este segundo, na qualidade de Presidente em exercício do órgão de Cooperação nas áreas de Defesa e Segurança da SADC. Estiveram presentes igualmente representantes de altas patências militar em Pemba oriundos da África do Sul, Botswana, Angola, Lesoto, Ruanda e Tanzânia.

O Centro de Integridade Púublica promoveu um encontro virtual para analisar dados em sua posse a respeito de secretismo e gastos militares que estão a ser injectados, sem que sejam devidamente publicados e muito menos auditados, em Cabo Delgado. No referido encontro, soube-se que uma média de dez e únicas empresas, ganham a cada dia em que a guerra de Cabo Delgado se alastra, propiciando focos de corrupção na seleção das mesmas.

Nacala Porto acabou de graduar um pelotão de boinas vermelhas e boa parte deste sangue novo, será brevemente encaminhado para a Província de Cabo Delgado, para se juntarem as outras forças vivas que por lá operam, em defesa da Pátria Moçambicana.

Celebrou-se nesta semana, o dia Internacional da Juventude e várias personalidades, sobretudo políticas, discursaram encorajando jovens a não se aliarem ao radicalismo que termine em células de terrorismo. A luta contra doenças a destacar a Covid – 19, só tem sido possível, contando com esta camada decisiva. Alusiva a semana da Juventude, a Renamo também promoveu debate virtual em Webinar a respeito

Nampula ainda acolhe deslocados de guerra que não têm por onde iniciar com a vida. A falta de emprego, teto para acolhimento, provimento de cestas básicas, parcelas de terra para novas construções, superlotação em unidades sanitárias e escolas notório sobretudo pela cidade de Nampula escreve o Jornal Ikweli.

Já se somam 2.600 ex-guerrilheiros da Renamo e 62 Membros da Junta militar até então integrados no Processo de desarmamento, desmilitarização e Reintegração em curso no País. Contudo, parte destes, reclamaram diante da imprensa que, há demora de pagamentos de seus ordenados ao longo dos últimos meses.

Cabo Delgado

O Governador da Província de Cabo Delgado, Valige Tauabo e parte de empresários que investiram a Província e o Município de Mocimboa da Praia, tiveram o privilégio de visitar Mocímboa da Praia tendo estes caracterizado o local de assombrado isto após a estadia de insurgentes, por um período de aproximadamente um ano. A destruição foi parcial pois, há infraestruturas não atingidas pelas chamas e explosões e acredita-se que insurgentes reutilizavam-nos para atendimentos hospitalares, esconderijos entre outros.

As tropas conjuntas já se encontram em Cabo Delgado e o Pinnacle News tem indicações de que Ruanda escolheu povoar Mocimboa da Praia e Palma ao passo que tantos outros países tem maior número de soldados, nos outros distritos ao redor destes dois. A presença destas tropas representam um alivio e sossego, dizem populares de toda a Província e que com estes convivem e trocam impressões. Por conta disso, moedas de vários países de África, podem ser vistos de mãos em mãos ou também, a serem cambiadas em mercados formais e informais, um pouco por toda a Província.

Enquanto alguns distritos da Província de Cabo Delgado experimentam o uso massivo de painéis solares, o Governo acaba de anunciar a extensão de montagem deste tipo de equipamento, até Janeiro de 2022. O projecto estava previsto para a sua efetivação a 100%, no presente mês de Agosto de 2021 e por motivos adversos a realidade desta Província, o prazo acaba de ser estendido para mais seis próximos meses. Outro sim, companhias de operadoras moveis sentem-se comovidas em colocar o sinal de comunicação em Mocimboa da Praia, como forma de facilitar a comunicação entre militares e de igual, os primeiros populares que voluntariamente pretenderem voltar a coabitar em Mocimboa da Praia.

No ataque a um grupo de insurgentes na vila bem como nas matas de Mocimboa da Praia, foram encontradas armas de todos os calibres, livros religiosos, amuletos bem como escantilhões de ataques ao Distrito de Palma. Este material foi apresentado à imprensa pelos militares de forças conjuntas que por aqui operam.

As tropas conjuntas que operam pela Província de Cabo Delgado aparentam somar sucessos nos combates de ataques a insurgentes. Contudo, nenhum número de insurgentes abatido constitui a verdade. Para o Pinnacle News, há muito mais elementos ligados a insurgência a serem abatidos em combate e os números.

Nesta semana que finda, dezenas de senhoras e crianças reféns, foram localizadas em matas densas de Cabo Delgado, submetidas em triagens, interrogatórios e boa parte destes, devolvidas aos convívios familiares.

Vários curtos vídeos e fotografias que evidenciem fortes combates e domadas de terras que durante meses pertenciam a insurgentes, foram postas a circular. O Importante para o Pinnacle News são duas espingardas devida e rigorosamente assinadas as quais, certamente pertencias a dois maiores líderes de insurgentes. A do Darday (conhecido por Darday Jongo Junior) e Abu Surah (este que sempre mudou de nomes e provavelmente o líder número um o qual, já foi apelidado por Rei da Selva, Sheik Abu Uracha, Nuro, Patrick e Bonomar). A se confirmar que os donos destas espingardas perderam-nas em pleno combate, o conflito de Cabo Delgado não tem algum sucessor a vista e pode-se definir como, terminado.

Forca local (antigos Combatentes) do Distrito de Mueda, mantiveram em cativeiro, pelo menos um militar com alegações de estar a perturbar a ordem e tranquilidade, a alta noite, depois de recolher obrigatório. Os mesmos antigos combatentes, detêm diverso mobiliário recolhido na posse de militares os quais, ao voltarem da missão de patrulhas no vizinho Distrito de Muidumbe, aproveitaram-se de bens materiais da População, para a sua revenda, em Mueda. Os referidos eletrodomésticos, ainda não foram reclamados, há meses. Recorde-se que muito boa parte de Muidumbe, não se vive, por conta de recorrentes ataques perpetrados por insurgentes, facto que afugentou boa parte de população.

Terminamos esta edição com breves notas de que Ruanda trouxe equipas de jornalistas para cobrir o conflito de Cabo Delgado, ao longo dos 3 meses. Estes fazem os seus trabalhos a toda a largura sendo, em mar aberto, em terra, no Ar e em terra, em várias línguas em uso no Ruanda.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Voz de Cabo Delgado

Subscreva a nossa newsletter diária

Verifique na sua caixa de correio ou na pasta de spam para confirmar a sua subscrição.